quinta-feira, 15 de novembro de 2007

Ego


Parte 1

Seria digna de um lugar no Guiness se conseguisse contar quantas vezes havia feito aquilo, ela pensou. Estava nua sobre a cama, com os pés cruzados e as pernas levantadas, fazendo um triângulo retângulo com a parede. Olhou as flores sobre a escrivaninha. Resolveu que iria mudar. Mudar drasticamente. Seria uma mulher de família, teria um marido, filhos e tudo que isso implicasse. Ficou entediada só de pensar. Respirou fundo. Ergueu-se e foi tomar uma ducha.
Durante o banho o telefone toca insistentemente. Ela sai molhando todo o quarto, enrolada numa toalha encharcada.
- Alô?!
- Oi...
- Sim?
- Você recebeu as flores?
- Flores? Ah, as flores... recebi sim. Obrigada.
- Você gostou delas?
- Muito, são bem bonitas.
- E o convite no cartão? O que você me diz?
- Hoje à noite, não é? É... aceito.
- Então passo pra te buscar... às 20h, tá bom assim?
- Tá, estarei pronta.
- Até mais tarde.
- Até.
Volta ao banho cantarolando algo ininteligível. É, até que poderia ser boa idéia. Passa a tarde toda pensando na melhor maneira de fazer o que mais sabe: iludir. Olhar tímido, sorriso jovial, achá-lo extremamente engraçado e, por fim, não convidar para entrar no primeiro encontro. É, deve ser suficiente por enquanto... Não. Ela havia decidido tentar fazer diferente desta vez. Mas e a diversão? Melhor esperar para ver como as coisas se encaminham. Quem sabe ele a convence a mudar. Parece interessado. Sorri, desdenhosa. Seu prazer ao ver um homem sofrer por ela, implorar que ela não o deixe é quase equivalente a um orgasmo. Só não há equivalência porque é melhor.
Deita-se, contempla com um olhar perdido o teto. Abre um livro. Dorme.

Às 19:30 está arrumada, maquiando-se. Prende os cabelos, solta... nada a agrada. Resolve ir com eles soltos e sem grande produção. Olha-se. Parece bem. Finaliza a sombra e o batom. Perfuma-se. Não muito, para não sufocá-lo e nem a si mesma. Ainda é cedo. Dirige-se à cozinha. Abre a geladeira. Morde uma maçã.
É quando, então, ouve uma buzina. Apanha as chaves sobre a mesa, a bolsa e apaga as luzes.

16 comentários:

tati.~ disse...

JÔ!
Demorei mais voltei.XD
Tdo bem moça? Como está esse começo de feriado?
Espero que bem.

Tive o prazer de ler o fragmento da carta... Sinto-me definitivamente privilegiada, porque me encantou mto.[não sei se isso vai te deixar surpresa ou aborrecida. Mais não poderia deixar de comentar]

Em relação a esta postagem.
Intrigante.Eu gosto da forma como você descreve as ações, as expressões.
Vai ter parte 2?
XD
Dá uma curiosidade...

Lucia disse...

Me identifiquei com essa moça. Iludir... acabo fazendo isso até comigo mesma. Talvez, principalmente comigo mesma.
Não é à toa que 'Maya', na filosofia indiana, significa Ilusão... e foi esse o nick que adotei, há alguns anos, sem saber disso.

Seu texto me deu o que pensar...!

Beijos e boa sexta!

fragmentos: Lady Libertine disse...

Ain ain ain... parece que vc me conhece... rsrsrss

=*********** muahhhhhhhhhh

Mila disse...

Eu gostaria de saber iludir alguém além de mim mesma.
rs

Dia perfeito pra mim. E vc, como foi o dia?

*Viva Fábio Jr.!!! rsrs*

Bjs

Paulo Bono disse...

Há verdades por aqui. Isso é gostoso de se ler.

abraço

Gabriele Fidalgo disse...

Nossa, JÔ.
Mas que texto maravilhoso é esse?
Eu fico um pouquinho 'ausente' e quando volto aqui, me deparo com esse texto delicioso? rs Adorei viu!

Ah, e obrigada pelos comentários.
Agora eu voltei pra valer. =]

beijos

(...) Bê disse...

Imaginei o que ela iria fazer dessa vez,manter a tradição do 'iludir', pq isso parecia ser quase que natural aos seus olhos; ou buscar fazer diferente, ao menos dessa vez...

Intrigante ^^

Beijo moça

e saudações Amelísticas :)

SAMANTHA ABREU disse...

é...
os diálogos estão cada vez melhores!

Muito bom texto!

Beijos!

Thais Goetz disse...

É sim... me fez rir! [sobre o outro comentário... rs pra não ficar muito fora do contexto!]

Nussa... como isso é bom!
rs

Boa semana pra vc!!!

haha

seu pedido tá sendo atendido!
Mais um encontro pela blogosfera!

=P

Bjiiins!

=**

Edgar Sollers disse...

"Seu prazer ao ver um homem sofrer por ela, implorar que ela não o deixe é quase equivalente a um orgasmo. Só não há equivalência, porque é melhor."

Maravilhoso, isso minha cara Jô, maravilhoso.

Sobre a "Insustentável..." acho melhor você não o ler, depois dele tudo mais que eu li ficou parecendo conto da carochinha, então, se você o ler, não vou poder te indicar mais nenhum livro, rs.

Edgar Sollers disse...

Ah, não se preocupe não, se você o ler no leito de morte, garanto que conseguirá uma sobrevida, só vai morrer depois que terminar a última linha. Acredito que vá gostar do livro, espero, que se isso acontecer, você morra com um sorriso de satisfação. Mas ainda correrá o risco de confiar no meu gosto e se desapontar, nesse caso, morrerá de desgosto... mas, com certeza, só depois de terminar o livro. ;)

Dani Morreale disse...

Fodaaaaaaa!

FINA FLOR disse...

e que mulher não conhece esse trailer, querida?!!!!

beijos e boa semana,

MM.

F. S. Júnior disse...

ah sim, então todo aquele sofrimento é planejado? =P

Camila disse...

Afe. Me encantei e me identifiquei demais, Jô. Faz parte do jogo de cena feminino esta sedução, este dom de iludir, já muito bem cantado por Caetano.

Beijo, guria! Bom feriado!

Zaira Brilhante disse...

Engracado, faco das palavras da Mila minhas tb... Mas, ao mesmo tempo, insisto em colocar prazo de validade nas relacoes... algumas vezes, de uma maneira tao egoista que, as 19h30 em vez de pronta estou com o telefone na mao, inventando a desculpa mas deslavada, pra dar a entender, efetivamente, "nao ligue mais, ta"... Ate quando? bjs senhorita!!!