sábado, 29 de março de 2008

Dos casos mal resolvidos



Parte I

Ela: 19 anos. Ele: 37. Conheciam-se desde sempre. Eram vizinhos. Simpatizavam um com o outro. E parecia ser só isso até ele falar mais que o clássico: "olá, moça. Tudo bem?". E dizer, sem nenhuma introdução ou eufemismo:
- Nunca mais vi aquele teu namorado ir à tua casa. Você está sozinha? O que acha de sairmos?
Por aquilo ela definitivamente não esperava. Embora soubesse que sempre que o sabia por perto, colocava o seu melhor vestido. O mais esvoaçante. Para combinar com os cabelos soltos.
Enrubesceu.

- Isadora?
- Desculpa... é que me pegaste de surpresa.
- Essa era a idéia. O que me dizes? Podes me responder depois, se preferir.
- Depois quando?
- Me dá teu telefone e eu te ligo mais tarde pra saber a tua resposta.
- Ah, então eu tenho prazo...
- É, eu não sei esperar.
- Quer dizer que se eu te der um não será o único?
- Você fará isso?
- Preciso pensar. E ir agora.
- Pense.
Aproximou-se olhando-a nos olhos profundamente. E dirigiu-se aos seus lábios, ela ainda sentiu o hálito dele e fechou os olhos. Beijou-lhe a face. Não pôde disfarçar o ar frustrado e se foi.

Naquele mesmo dia Isadora tocava a campainha do apartamento dele, ansiosa e nervosa. Lucas abriu a porta com um sorriso que a fez tremer. Pegou-a pela mão e a fez entrar. Encostou-a contra a porta e a beijou sofregamente.
- Eu não aguentava mais te esperar. ..
- Vejo que você fez uma superprodução... frios, vinhos, flores...
- Você não merecia menos que isso. Além do fim do tempo que esperei por você precisar ser comemorado em grande estilo.
Serviu-a de vinho. Riram, gargalharam, falaram de tudo e de nada. A noite apenas começara...

17 comentários:

Morganna disse...

das pessoas inesperadas que existem, ele.

Ni ... disse...

As vezes precisamos simplesmente olhar pros lados...

Mila disse...

Interessante, muito interessante...
Vou esperar a continuação (já imaginando que terminará como amor mal resolvido).

***
Aquelas brincadeiras de escola era muito toscas. Mas eram engraçadas demais!
Quando dizer que fulano chupou a língua da fulana era o máximo do erotismo nas nossas vidas.
hahaha

Beijos

Juliana Caribé disse...

E, pelo jeito, vai ser longa...
Beijos.

Cinema da Vida disse...

Ah, eu acho que estou precisando de algo assim. Ahahaha
Beijo, bom vir aqui!

PS: Não lembro como vim parar aqui.

F. S. Júnior disse...

a vida as vezes é assim mesmo... engraçada... principalmente as relações humanas...rs

Johny Farias disse...

Vinhos e Flores, o resto é por conta do amor :D

Beijo's Jô

Juliana Caribé disse...

Gostei da imagem nova do layout...

Beijos.

Ane Talita disse...

Hum...essa noite promete!

beijo, bonita!
=)

Mila disse...

Jô, presente pra você lá na Caixa.

Beijo

Anônimo disse...

Lembrei. Foi pelo diário da Bel. Não sei como, mas lembrei disso quando estava dando aula! rs
Vai entender...
Beijo

Bárbara (B.) disse...

Ai, menina. Acho que vou bolar algo assim, só que com os sexos invertidos, claro. Adorei. Risos.

Saudade, Jô!
Beijos, linda.

SAMANTHA ABREU disse...

muito bom!
criativo pacas, jô!
parabens..


e adorei o lay novo.

beijos!

Cabraforte disse...

porque isso nao acontece comigo?

pensou eu nas casualidades da vida, o que seriamos sem ela?


bj

nj.marabuto disse...

um instigante prólogo para um extasiante conto! *mais*

novo blog saindo do forno, Jô!
http://suaveexaspero.blogspot.com/
vê se te agrada. beijo.

Luca disse...

estou à espera do inesperado!
aliás, quem não está?

aiiiinnn

Camilinha disse...

ai, ai... fiquei curiosa com o restante...

beijos daqui...