sábado, 15 de março de 2008

A(s) face(s)


Aquela não era ela. Nunca fora, nunca seria. Passava por boa esposa, mas não suportava a voz daquele homem asqueroso. Sabia que ele a procuraria à noite e tomou uma decisão. Deixou a máscara de boa dona de casa, mãe exemplar e fugiu com o dono da venda ao lado. Foi então que notou que já não tinha face, a máscara ficara por tanto tempo colocada sobre seu rosto que já se tornara dela.
.
No meio do caminho pediu desculpas ao amante e voltou para casa se esforçando para chegar antes do marido notar sua ausência e com os sapatos na mão para não acordar os filhos.
.
****
.
Queridos, peço perdão pela ausência, ando com problemas com a internet (foi um milagre eu conseguir postar, vinha tentando há dias), com muito trabalho e muito estudo. Tenho lido alguns dos blogs que sempre li, mas nunca dá tempo de comentar. :( Aparecerei sempre que possível.

5 comentários:

Morganna disse...

o verbo 'ser' cai bem aqui. e quando se descobre a máscara, há pouco tempo pra voltar. ou não.

tão tão sem tempo, eu. e tu.
saudadezinha. :*

FINA FLOR disse...

me lembrou um filme da Nicole Kidman chamado A pele....

beijos, querida

MM.

ps: finalmente consegui te linkar =]

Gabriela. disse...

Sua existência e essência, nos basta!

Gabriela. disse...

*bastam.

Luca disse...

Põxa! Pode soar egoísmo, mas q felicidade vir aqui e perceber q não perdi tantos posts. Tava c saudades dos teus textos, no entanto, igualmente ando sem tempo ou sem coragem para blogar.

A minha máscara ainda não se tornou minha e a estou deixando descansar!

Beijoooo