segunda-feira, 7 de abril de 2008

Monólogo


- Quando ele puxa os meus cabelos para trás é a sua voz que eu escuto se desfazendo em sussurros pervertidos. É a tua mão que sinto apertando as minhas coxas. Ainda me toco à noite antes de dormir lembrando-me como era ter você entre minhas pernas. Para só então dormir profunda e mansamente. E me frustrar no dia seguinte ao constatar o vazio vitalício da cama infinita.

13 comentários:

Luca disse...

Esse monólogo foi tão eu...

=/

Bel Gasparotto disse...

Profundo pra caramba... e já é o segundo blog que leio hoje com tema relacionado à solidão... já tô me sentindo só também, rsrs.

Gosto quando escreve assim, Jô! Adoro!

Cabraforte disse...

Monólogo tão quente, quanto o som da noite que passa sem falar nada e deixa um ar de noite quante!

Que noite mais quente essa não!?


boa noite!


bj

Juliana Caribé disse...

Acho que todo mundo já pensou isso um dia...

Beijos.

SAMANTHA ABREU disse...

esse foi fundo... e quente!
;D

um beijo!

Camila disse...

O texto e portanto, a sua quase voz, é quente, contrastante com o vazio da cama. Por tanto tempo dormimos sós, mas depois que um outro corpo molda o colchão, fica difícil sentir o calor partindo, junto com quem já se foi.

nj.marabuto disse...

por isso é importante a gente dar valor enquanto a gente tem... rs

beijos exasperados

Camilinha disse...

uffff...

deu um calorzinho por aqui...


beijos

Camila disse...

Não é incrível como aquela mesma cama pode se tornar infinita, às vezes? Incrível, terrível.

(Argh, eu adoro isso aqui!)

Lúcia disse...

A cama às vezes parece tão grande... sei como é a sensação.

Beijos sumida!

Dani Morreale disse...

A vida como ela é.

Nano Costa disse...

Monólogo (retórica)

- Quando acordo no infinito, relembro das tuas coxas em minhas mãos, dá uma loca vontade de me embrenhar novamente entre tuas pernas, mas sei que este vazio matutino é que alimenta nossa paixão.

Bárbara (B.) disse...

Ah, essa maldita solidão! Por que as coisas simplesmente não se encaixam onde mandamos encaixá-las? (Leve isso a todo e qualquer sentido que lhe vier à cabeça, d'accord?). Risos.


Beijo meu, linda.