quinta-feira, 5 de junho de 2008



- Os meus espaços vazios que deixei para você preencher foram preenchidos com autoestima. Meu ego não soube esperar. Quem sabe na próxima [vida]?

9 comentários:

Adriano DiCarvalho disse...

Se a espera é descontente, o autoconhecimento é uma das maravilhas da vida!
Às vezes pensamos que alguns dos nossos espaços devem ser preenchidos por terceiros, mas quando descobrimos que isso é utópico e que o certo é não termos espaços vazios em nossas vidas, sentimos a paz do nosso próprio sorriso!

Bjão.

Lannes disse...

VOcê tá me seguindo, né?!Rs...
Como vc lê meus pensamentos cara?!

Morganna disse...

ausência também tem com quê preencher? vazios e ausências andam juntas vezemquando.

ah! doutorado em literatura? num sei, ó.
mas eu vou ver se algum amigo sabe e te falo! ahuahauhaua dev ter! :~
seria ótimo se tu viesse morar aqui!
se bem que aqui é muuuuuito quente no final do ano. u.ú

beijo, linda Jô! :*

Bárbara (B.) disse...

Por essas e outras que eu sou tua fã, já te disse isso? Só me dá orgulho essa menina!
Saudade mesmo!

Beijos, linda.


Ps: Adorei o texto aí embaixo, apesar de desesperançoso, e as fotos também, lindíssimas!

Luca disse...

Se a autoestima preenche algum vazio, certamente, ela dará o espaço certo a quem deve ser dado. Não necessariamente, numa outra vida.

Beijooooooosssssss

Saudades grandonas daqui...!

Will disse...

Moleculas de amor são esquisitas: elas têm uma facilidade de se mesclarem com moleculas de autoestima, amor-próprio e orgulho. Cuidado que nesse caso dois corpos ocupam o mesmo lugar

Johny Farias disse...

O primeiro é o último amor é o amor próprio. Outras vidas, outros sonhos, outras pessoas...Esse muro me atrae demais, como será a vida por detrás dele Jô? ;)

Beijo's menina.

Edu Guimarães disse...

Esperar que outro preencha nossos vazios é dar muita responsabilidade pra alguém que provavelmente nunca vai conseguir.

BeiJô!

PS: claro que vc já está entre as cinco ;-) rs

Camila disse...

Tudo é bom aqui: os posts e os comentários. Os deste post são especialmente belos e fazem pensar. Adorei.

E cito a musiquinha que toca exaustivamente nas rádios: quando o fardo é muito pesado, quando as expectativas são desleais, a chance de dizer "acabou, boa sorte" é grande, muito grande.

Melhor arrumar a nossa casinha interna antes e correr para o abraço sem esperar nada que o outro não possa dar. E o vazio, acha que esse existirá ad eternum, não compete a alguém preenchê-lo.

Beijos, menina querida!