domingo, 28 de outubro de 2007

Das flores e sua efemeridade


Li algum texto em um lugar qualquer que eu definitivamente não vou lembrar qual foi, que dizia: flores não são um bom presente. Fiquei pensando sobre isso. Sempre quis mandar flores para um homem. Mas sei que isso dificilmente será visto com olhos bons. Vai parecer pilhéria. Não sei ao certo quem convencionou que flores e mulheres são almas gêmeas. Não que não o sejam de fato. Mas poderiam ser almas trigêmeas, por que não?
A alegação de quem não gosta de receber flores como presente é sempre a mesma: não ficam para a posteridade, são efêmeras, caras e funcionalmente inúteis. É uma maneira prática de ver as coisas. Materialista, no mínimo. Insensível, para ser gentil.
Não há nada mais simbólico que flores. Mesmo livros, que são também ótimos presentes, às vezes só lembramos de quem ganhamos quando abrimos para ler a dedicatória, quando ela existe. Flores não. Sabemos exatamente de quem as recebemos e em que ocasiões.
É certo, entretanto, que elas só têm um significado quando a pessoa que nos mandou significa muito para nós ou tem potencial para tal. Caso contrário, elas não terão sequer sua água trocada e envelhecerão precocemente. É triste, mas é verdade. As flores, seu valor e o tratamento dispensado a elas estão condicionados ao remetente.
Mas elas também são boas para se autopresentear. É um bom hábito. Experiência própria. Recomendo. Não resista a uma bela rosa. Compre-a. E cuide dela, mesmo sabendo que ela não resistirá muito. E fique ao seu lado até que ela fique cabisbaixa. Embalsame-a, se puder, mas só na memória. O encanto das flores reside justamente em sua beleza efêmera. E na quantidade de belíssimas metáforas que isso pode inspirar.

8 comentários:

Sebastiao Moura disse...

Flores são bons presentes. Aos que alegam não gostarem de receber flores como presente pois não ficam para a posteridade, são efêmeras, caras e funcionalmente inúteis, que fiquem sem abraços, sem beijos, sem carinhos, sem o bom sexo. O princípio é o mesmo, não?

Pequenina ^.^ disse...

num sou fã de ganhar rosas não, flores enfim...
Mas to aqui abobada " das flores " foi o primeiro q eu li, e fui lendo todos um a cada um...

como suas palavras são bem colocadas....

amei ...

nossa nossa

[beijitos com pó misterioso]

Edgar Sollers disse...

Primeiramente obrigado pelo comentário e pela paciência de ler um texto com tantas letras, rs.

Sobre as flores, concordo quando diz : " que elas só têm um significado quando a pessoa que nos mandou significa muito para nós ou tem potencial para tal."

Mas não é só sobre as flores, é também sobre todos os presentes, sobre as palavras. Um suspiro vale mais que um beijo quando é da boca que queremos.

SAMANTHA ABREU disse...

UAU!
teu blogue me deixou boquiaberta...
adorei os textos, e o espeço é encantador!

Parabéns!

ps: Veja, hoje, "A criação" no FALÓPIO: http://versosdefalopio.blogspot.com/

beijos!

KARLA JACOBINA disse...

an... já sei! presenteou-se com rosas, se inspirou e escreveu essa nobreza de texto. acertei?

olha, talvez discordo na questão de que regamos-a de acordo com o remetente. Se eu fosse o delegado que recebeu as flores de Zeca, teria feito no mínimo um poema com elas.

Vou te linkar ao meu blog pessoal. Gostei mto daqui.

(Ah! outra coisa tb, comprar flores para praticar o desprendimento, desapego... é uma boa idéia )

beijos

Dilean Di Bragança disse...

Flores...Sempre alegrando os românticos. Amo oferecer e receber.
Muito bom mesmo o texto.
Sua forma intimista de monstrar seus sentimentos me encantou, assim que der volto pra ler mais.
Bjus de novo!

Mila disse...

Nunca recebi flores, mas adoraria.
Cuidar de rosas me lembra o Pequeno Príncipe.
*
Acho a palavra "efêmera" linda. rs
*
Cheguei aqui através de um comentário seu em um Blog que eu estava visitando e resolvi te visitar também.
=)

Bjs

Bel disse...

Eu já pensei assim, que flores não são um bom presente. E continuo pensando, mas com uma ressalva: Flores não são um bom presente em datas específicas (aniversários, comemorações...) mas receber flores sem uma razão explícita... é a melhor coisa do mundo!!! (ou uma das)